Publicidade
Publicidade

Recém inaugurada, ciclovia da Av. das Torres apresenta defeitos

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedintumblrmail

Prometida como parte do “legado” da Copa do Mundo em Curitiba, a ciclovia implantada na Avenida Comendador Franco – mais conhecida como Avenida das Torres — criou um importante eixo de ligação entre o Centro e diversos bairros da capital, facilitando a vida de quem usa a bicicleta como meio de transporte no dia a dia.

O trecho recém-inaugurado, porém, apresenta uma série de falhas técnicas, como presença de obstáculos no leito da via e má qualidade na execução da obra; com menos de um mês de uso, alguns trechos de asfalto já apresentam rachaduras de mais de 5 centímetros de largura. O pacote de readequação do corredor Aeroporto-Rodoferroviária custou cerca de R$ 100 milhões aos cofres públicos.

Galeria de Imagens

Em alguns pontos, a falta de fiscalização da autoridade municipal de trânsito transformou a ciclovia em estacionamento privativo para moradores e comerciantes. Em outros trechos, a segurança também deixa a desejar. Na altura da Vila Torres (sentido Centro-Aeroporto), por exemplo, um barranco de mais de três metros margeia o bordo direito da ciclovia sem nenhuma mureta, guard rail ou barreira de contensão. Mais à frente, próximo ao viaduto da Linha Verde, uma placa de sinalização impede a visão dos ciclistas em um cruzamento perigoso de uma alça de acesso de veículos.

Em maio do ano passado, a prefeitura de Curitiba havia garantido que faria a retirada e a relocação de todas as barreiras na ciclovia, incluindo postes de iluminação e de sustentação de semáforo, o que ainda não foi cumprido.

Em alguns casos, a prefeitura pode até culpar a gestão anterior, que desenvolveu o projeto. Mas, ao mesmo tempo, não pode se eximir da responsabilidade sobre a fiscalização de uma obra que, meses após ser entregue, já apresenta problemas.

Apesar dessas questões pontuais, os usuários são unânimes: a via torna mais seguro o deslocamento por bicicleta, tirando o ciclista do fluxo de carros, ônibus e caminhões que circulam por ali com velocidades de até 70 quilômetros por hora.

Publicidade
No Comments

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *