Publicidade
Publicidade

Bêbado, motorista de Audi mata ciclista na Avenida das Torres

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedintumblrmail
NaoFoiAcidente-624x832
Quando um motorista bebe, dirige e mata, não se pode falar em acidente.

Não dá para chamar de acidente. Acidentes são eventos imprevistos, inesperados, fortuitos. O que esperava o monstrorista Savo Cicilovic enquanto dirigia bêbado, às 7 horas da manhã, o seu Audi A3 em alta velocidade pela Avenida Comendador Franco (das Torres), entre Curitiba e São José dos Pinhais?

Nessa quinta-feira (18), ele atropelou e matou o ciclista Osmar da Cunha, de 38 anos, que transitava de bicicleta pelo lado direito da pista, direito que lhe é garantido e assegurado pelo Código de Trânsito Brasileiro. A mesma lei que lhe resguarda a distância de 1,5 metro de segurança de qualquer veículo.

Não é o primeiro ciclista que morre atropelado neste ano em Curitiba. Provavelmente não será o último. Aqui, ninguém está nem aí para as leis de trânsito. Vale a lei da selva nas ruas da capital mais motorizada do país.

O motorista é um empresário, de 35 anos, sócio-diretor de uma empresa de “Soluções Ambientais” em São José dos Pinhais. Praticante de musculação, amante de música eletrônica e com quase cinco mil amigos no Facebook. No seu perfil, ele também coloca o filme Velozes e Furiosos entre os seus preferidos, o que diz muito. Ele agora também carregará para o resto da vida o peso da morte de um inocente.

Segundo informações da Polícia, depois do acidente o motorista fugiu sem prestar socorro. Voltou minutos depois, provavelmente arrependido, quando a polícia já estava no local.

Se recusou a fazer o teste do bafômetro. “Isso pode me complicar”, teria alegado. Mesmo assim, para os policiais, ficou evidente o estado de embriaguez.

Ele agora está preso e responderá por homicídio com dolo eventual – quando se assume o risco de matar. Provavelmente estará solto dentro de alguns dias. Sabe como é, né? Tem dinheiro, poder, é réu primário, tem emprego e residência fixa. Logo, também, estará dirigindo novamente.

Já o ciclista está morto. Continuará morto. Não tem direito a recurso, habeas corpus nem advogado. Nem teve direito a defesa: nem à restrita, quanto mais à ampla. Resta a família chorar sua dor.

Para todos os outros, a vida segue. Tanto para quem dirige quanto para os outros ciclistas que vem e vão todos os dias de bicicleta pelas ruas da cidade, convivendo em um trânsito com motoristas-animais, que não respeitam as leis básicas de trânsito ou de civilidade.

De quem é a culpa?
Essa é a crônica de uma morte anunciada. Assim como as outras tantas que infelizmente virão. Já virou clichê dizer que o trânsito brasileiro mata mais que a Guerra do Iraque.

Aqui, perdemos quase 150 vidas todos os dias. Outros 600 brasileiros ficam inválidos a cada 24 horas. Por ano, no cálculo mais conservador, são 36 mil mortos.

Ainda assim, há quem argumente que a culpa é do pedrestre, que não perde a mania de atravessar fora da faixa.

Aparecerá um ou outro imbecil disposto a defender o motorista, jogando a culpa no ciclista por estar ali, naquela hora e naquele local, em um exercício tão mórbido quanto aquele que busca culpar dois jovens por terem tido a ousadia de se meterem na frente de um carro a 167 Km/h, guiado por outro motorista bêbado.

Mas na prática, ninguém faz nada. Cobrada por ciclistas, provavelmente a Prefeitura de Curitiba argumentará que o Ippuc tem um plano mirabolante para resolver tudo. Também vai dizer que acabou de criar uma câmara técnica para discutir melhorias no trânsito para os usuários de bicicleta.

Não adianta criar câmaras técnicas. A burocracia mata. A burrocracia também. Por aqui, falta vontade política. De acordo com dados do site Curitiba Aberta, a prefeitura cortou pela metade o orçamento deste ano destinado a implantação e revitalização de infraestrutura cicloviária do município reduzindo a previsão de R$ 2 milhões para R$ 1 milhão. Ainda assim, o executivo empenhou apenas R$ 126,2 mil.

Um pouco de tinta na lateral da Avenida das Torres, delimitando uma ciclofaixa, poderia ter evitado a morte do ciclista Osmar da Cunha.

A Avenida das Torres será reformada dentro do projeto de adequação da cidade para a Copa de 2014. Mas não consta no projeto a integração de uma ciclofaixa. Com R$ 1,8 milhão disponível no orçamento, dá pra comprar tinta o suficiente para pintar uma ciclofaixa de 10 km atravessando oito bairros da capital e ainda sobra troco.

É preciso cobrar a adequação do trânsito da cidade, com a integração da bicicleta como modal de transporte.

Uma ciclofaixa na Avenida das Torres seria capaz de integrar 8 bairros ao centro da capital – beneficiando diretamente mais de 150 mil moradores, além de conectar a cidade com São José dos Pinhais, município da região metropolitana com 260 mil habitantes.

É uma solução inteligente para compartilhar o espaço público entre carros e bicicletas, garantindo a segurança dos ciclistas, que são mais frágeis.

Bingo Atualização (19/08 9h25)

Profecia? Não…
Eis a resposta do prefeito Luciano Ducci, via Twitter, após cobrança sobre o acidente
@LucianoDucci: “a Associação dos Ciclistas do Alto Iguaçu está discutindo melhorias com IPPUC”.

Mobilize-se
Use as redes sociais para cobrar do prefeito Luciano Ducci a criação de uma ciclofaixa na Avenida das Torres. O Corredor Ciclístico Osmar da Cunha é o mínimo que a Prefeitura de Curitiba pode fazer depois dessa morte que, repito, não foi acidente!.

Escreva pelo Twitter para @LucianoDucci, usando as hashtags #maistintamenossangue, #naofoiacidente, #ciclofaixajá e #pedalaDucci.

Ligue para o telefone da Prefeitura 156 e peça a a construção de uma ciclofaixa na Avenida Comendador Franco. Você também pode registrar esse pedido pela internet:

“Em decorrência da morte do ciclista Osmar da Cunha, solicito a implantação de uma ciclofaixa em toda a extensão da Av. Comendador Franco (Av. das Torres) para garantir a segurança dos ciclistas, integrando 8 bairros da capital e beneficiando 260 mil moradores que terão segurança para utilizar um meio de transporte sustentável como a bicicleta”

Copie e cole o texto acima e preencha o cadastro com seus dados pessoais. A prefeitura gerará um protocolo que deverá ser respondido.

Além disso, ajude a divulgar essa ideia pelo Facebook, Orkut e Blogs. Também cobre do seu vereador a fiscalização da execução do orçamento municipal para construção de ciclovias e ciclofaixas.

Publicidade

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *