Publicidade
Publicidade

Bicicletários públicos de Curitiba serão fechados

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedintumblrmail

Empresa de cicloturismo urbano vai operar em local privado.

Curitiba deixará de oferecer o serviço de aluguel de bicicletas nos bicicletários públicos instalados em praças e parques da cidade. A Bicicletaria.net, empresa permissionária do sistema, notificou oficialmente à prefeitura a intenção de devolver os equipamentos ao município e, em breve, deverá encerrar as operações nos locais. A Kuritbike, que hoje opera o bicicletário do Centro Cívico, vai migrar suas atividades para um espaço privado ainda a ser definido.

A justificativa oficial dada pela concessionária é a inviabilidade financeira do modelo contratual, que prevê, por exemplo, o reajuste do valor da outorga (aluguel pelo uso do espaço) e mantém o preço da hora do aluguel congelado em R$ 5.

Porém, nos bastidores, o Ir e Vir de Bike apurou que fator decisivo para a devolução dos equipamentos foi uma insatisfação da empresa com a forma como o poder público vinha tratando internamente a questão dos bicicletários. “Houve uma ineficiência muito grande da gestão municipal: morosidade na avaliação de uma solicitação simples, com a demora de 14 meses para dar indeferimento. O bicicletário do [parque] São Lourenço, por exemplo, não tinha sequer viabilidade para instalação de água”, lamenta o empresário Gustavo Carvalho, da Kuritbike.

A empresa que tem a concessão dos equipamentos também ficou insatisfeita após a criação de um “projeto piloto” para viabilizar a instalação de um bicicletário com bikes elétricas no Parque Barigui, em detrimento do sistema tradicional já em operação. Desde maio de 2014, a Bicicletaria.net solicitava à prefeitura a transferência de um dos outros dois bicicletários (São Lourenço e Botânico) para o Parque Barigui, como forma de garantir o equilíbrio financeiro do contrato. A prefeitura, porém, indeferiu o pedido ao mesmo tempo em que autorizou a implantação de aluguel de bicicletas elétricas no parque mais movimentado da capital paranaense.

 

Prefeito Gustavo Fruet na inauguração do bicicletário do Centro Cívico.

Prefeito Gustavo Fruet na inauguração do bicicletário do Centro Cívico.

“Para a população é ruim colocarem no parque mais movimentado da cidade uma bicicleta elétrica a R$ 30 a hora sendo que havia outra empresa oferecendo bicicletas convencionais a R$ 5 a hora, querendo entrar no local e com condições de oferecer o serviço com qualidade”, aponta Carvalho. “Não é apenas um bicicletário que está sendo entregue. Estão sendo entregues os três bicicletários por falta de atendimento das demandas que permitissem operá-los”, completa.

Procurada, a prefeitura confirmou que já foi oficialmente notificada sobre a decisão da empresa que hoje opera o Bicicletário do Centro Cívico, São Lourenço e Botânico de devolver os equipamentos.  “A Urbs e a Prefeitura deram todo o apoio possível ao empreendimento, respeitando, naturalmente, os limites legais, de acordo com o contrato firmado com a empresa a partir de licitação”, diz a prefeitura por meio de assessoria de imprensa.

A administração municipal garante que os equipamentos não permanecerão desativados, mas não deu um prazo para a nova licitação. “A Urbs está elaborando um novo plano de ocupação, de forma a tornar o empreendimento atraente do ponto de vista econômico e, ao mesmo tempo, prestar um serviço acessível à população”, diz a nota. “Esse plano inclui, além dos três equipamentos citados, também os bicicletários localizados na Avenida Presidente Arthur Bernardes e nas Ruas da Cidadania do Carmo e do Pinheirinho”, completa.

Histórico

Os bicicletários públicos de Curitiba foram licitados em 2012, na gestão de Luciano Ducci (PSB), após quatro anos de abandono e duas tentativas frustradas pela Urbs, que administra o mobiliário urbano na capital. No edital, estava prevista a obrigatoriedade de serviços de reparos em bicicletas; aluguel de bicicletas; exploração e locação de estacionamento para bicicletas; e comércio de produtos afins à atividade de ciclismo. O edital também previa a possibilidade de renegociações e repactuações, desde que preservada a atividade fim do aluguel de bicicletas e que as mudanças fossem justificadas e aceitas pelas Urbs.

Os espaços foram inaugurados em janeiro de 2013, com a presença do prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet (PDT) que também pedalou. Em agosto daquele ano, após 175 dias de operação, os bicicletários foram fechados por inviabilidade financeira.

Nas vésperas da Copa do Mundo, a empresa Kuritbike assumiu, como subconcessionária, os bicicletários do Centro Cívico e do Parque São Lourenço. O bicicletário do Botânico sequer voltou a abrir, já que não oferecia condições de segurança para operar após três assaltos. O bicicletário do São Lourenço foi fechado no início deste ano por falta de condições de funcionamento – sequer tinha instalação de água. Já o do Centro Cívico será devolvido em breve, encerrando a curta história dos bicicletários curitibanos.

Publicidade
No Comments

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *