Publicidade
Publicidade

Casal irá pedalando até a cidade mais ao Sul do mundo

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedintumblrmail
gileluisa-624x416
Casal no pedal: Gil e Luisa vão de bicicleta até o extremo Sul do continente

Nesta segunda-feira (25) o casal curitibano de ciclistas Gil e Luisa dará início a uma aventura que deve durar cerca de seis meses, partindo de bicicleta rumo a Ushuaia, cidade argentina capital da província da Terra do Fogo, também conhecida como “La ciudad más austral del mundo”.

Conheci os dois no início de junho, quando juntos participamos de uma edição do Madrubike e pude revê-los recentemente, quando eles promoveram uma oficina sobre cicloturismo e contaram para cerca de 20 pessoas um pouco dos planos dessa viagem.

Após mais de um ano de preparo e planejamento – que inclui o estudo do relevo, clima e direção dos ventos durante o trajeto – eles partem levando na garupa mais de 20 kg de bagagem cada um – além da disposição para encararem, sob duas rodas,a travessia de desertos, montanhas e outros grandes desafios até chegarem ao extremo sul do nosso continente.

“Mas a viagem é muito mais do que apenas a aventura”, pondera Luisa. Para ela, além do objetivo político implícito de divulgar a bicicleta como meio de transporte – viável até mesmo para percorrer grandes distâncias –, a jornada também oferece uma discussão filosófica mais profunda sobre o significado do tempo na sociedade contemporânea.

“É uma maneira de quebrarmos esse conceito do tempo, que rege todas as relações da nossa sociedade. Em uma viagem de carro, a distância a ser percorrida representa uma barreira a ser superada até que se chegue ao destino final. Já com a bicicleta, a importância deixa de ser o ponto de chegada e passa a compreender todo o percurso”, explica a ciclista, que trancou o curso de Ciências Sociais na Universidade Federal do Paraná (UFPR) para poder tirar suas próprias conclusões sobre tempo, sociedade e pedaladas.

Já Gil deixou seu emprego de engenheiro mecânico e aplicou seus conhecimentos no projeto da viagem. “Tentamos construir, fazer e adaptar tudo aquilo que foi possível com soluções caseiras”, revela Gil, que costurou a mão os alforjes, adaptou o bagageiro dianteiro das bicicletas, fez um par de capas de chuva impermeáveis e arquitetou mais uma dúzia de improvisos que lhes serão úteis durante a viagem.

gieluisa-oficina-624x436Ciclistas contam como planejaram a viagem durante oficina de cicloturismo

Escolher os equipamentos que serão levados, segundo ele, é um grande desafio em função do peso. “É preciso levar tudo o que você imagina que vai precisar, mas não pode se esquecer que aquilo vai representar peso extra na hora de pedalar. Dá a impressão de que tudo é leve, mas quando você põe tudo junto na bicicleta, percebe que não é bem assim”, diz.

O objetivo, revela o ciclista, é chegar em Ushuaia em meados de janeiro – durante o verão do Hemisfério Sul –, a tempo de pegar o calorzinho da região, quando a temperatura média gira em torno dos 5ºC.

Mas, e depois? “Ninguém sabe! A viagem pode continuar, subindo e passando por outros países da América Latina”, explica Luisa.

A aventura do casal poderá ser acompanhada através do blog Cicloterras, que eles pretendem alimentar durante a jornada, “quando for possível”.

Para eles, uma excelente viagem!

Publicidade

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *