Publicidade
Publicidade

Criado na periferia, “wheeling bike” quer ser reconhecido como esporte

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedintumblrmail

Ser formalizado como uma modalidade esportiva. Essa é a manobra mais radical que os adeptos do “wheeling bike” buscam executar. Criado na periferia de São Paulo há quase duas décadas — e hoje com adeptos em várias cidades do Brasil e admiradores ao redor do mundo –, o wheeling bike consiste na realização de manobras radicais sobre uma bike, como pedalar empinado, ficar de pé sobre o guidão ou girar sobre o eixo da roda dianteira.

No último domingo (13), o grupo Unidos do Grau, de São Paulo, um dos mais ativos na promoção do wheeling, veio até a capital paranaense para um encontro com os praticantes da modalidade de Curitiba e região metropolitana. Cerca de 50 wheelers fizeram suas manobras na Praça N. S. de Salette, no Centro Cívico, chamando a atenção e surpreendendo quem passava pelo local.

wheelingbikeApesar de ainda pouco conhecidas nas ruas, as manobras do wheeling bike têm uma legião de admiradores na internet. O canal Portal Wheeling no Youtube, por exemplo, contabiliza mais de 300 mil acessos por mês. Já a fã pagedo grupo no Facebook soma mais de 21 mil seguidores.

“O esporte começou na periferia, com a molecada imitando sobre a bicicleta as manobras feitas em motos”, conta o editor do site Portal Wheeling, Edimilson Xavier. “Há um lado social na prática do wheeling bike. É um esporte que promove a sociabilização e tira muita gente da criminalidade. Posso falar porque conheço essa realidade e já vi isso acontecer várias vezes”, relata.

Segundo Xavier, os praticantes buscam trilhar o difícil caminho para tornar o Wheeling Bike um esporte oficial. “Hoje tudo ainda é resultado do esforço e empenho dos praticantes, mas acredito que conseguiremos chegar ao ponto de ter o wheeling reconhecido pelo Ministério dos Esportes como uma modalidade criada no Brasil e, quem sabe, em um horizonte próximo, contar com pistas de wheeling para a prática das manobras em várias cidades”, diz.

Morador de Araucária, na Região Metropolitana de Curitiba, Sidney Rodrigues é praticante de wheeling desde 2011. Ele explica que o grande desafio para quem está começando é ter a coragem de iniciar as manobras. “Assim como acontece com quem está aprendendo a andar de bicicleta, a queda é parte do aprendizado para quem inicia as manobras no wheeling”, relata. A bicicleta ideal, segundo ele, custa entre R$ 700 e R$ 2 mil e precisa ser “rebaixada”, com rodas aro 26¨ e um quadro forte para “aguentar o tranco”.

Publicidade

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *