Publicidade
Publicidade

Prefeitura de Curitiba altera ciclofaixa para criar estacionamento para carros

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedintumblrmail
Ciclofaixa será reduzida para criar estacionamento (Foto: André Belletti)

Ciclofaixa será reduzida para criar estacionamento (Foto: André Belletti)

A prefeitura de Curitiba vai alterar o projeto da da ciclofaixa da Avenida Marechal Floriano para criar 73 vagas de estacionamento para veículos na região do Hauer. A intervenção joga luz nas políticas de mobilidade da capital paranaense e dá um recado claro e simbólico: mais carros, menos bicicletas!

A decisão, entretanto, não surpreende. Pelo discurso (e pelo Facebook), a administração municipal tenta vender a imagem de que Curitiba é a Amsterdam do Sul, ao mesmo tempo em que planeja o futuro da cidade com uma visão de mundo provinciana, incapaz de ultrapassar os limites bairristas do Hauer.

Comerciantes locais — que não pagam IPTU sobre a área pública, mas que mesmo assim se sentem “donos” das vagas –, conseguiram colocar de joelhos a administração municipal e tiveram a demanda de espaço para os carros atendida. A demarcação das áreas já está feita sobre o asfalto e as obras devem começar já nos próximos dias. O estacionamento será deslocado e as vagas ficarão paralelas à ciclofaixa, aumentando o risco de acidentes com ciclistas com a abertura da porta dos veículos.

A intervenção na via das bicicletas altera o projeto original da ciclofaixa inaugurada em 2012 pela gestão de Luciano Ducci (PSB). Curiosamente, durante a campanha eleitoral de 2012, Fruet usou um ator anão, apelidado de “Luti Promessinha”, para tirar sarro da largura da ciclofaixa projetada pelo ex-prefeito. Ironia da vida: mesmo diante da pressão dos comerciantes do bairro, Ducci não teve a desfaçatez de ceder à política paroquial e alterar a ciclofaixa para criar vagas para os carros; o atual prefeito não pensou duas vezes e colocou este feito em seu currículo.

Ah, não brinca! Fruet fez piada e agora manda estreitar ciclofaixa.

Fruet foi o primeiro prefeito do país a ir pedalando para a cerimônia de posse – o que gerou a expectativa de uma gestão transformadora na área da mobilidade urbana. Com o lema de “humanizar a cidade”, Fruet fez da bicicleta um dos símbolos de sua campanha e prometeu construir 300 quilômetros de ciclovias até o fim de seu primeiro mandato.

Empossado, porém, a prática do prefeito não correspondeu ao discurso do candidato. Com ações isoladas e extremamente tímidas, o prefeito será incapaz de cumprir metade da promessa de implantar ciclovias na capital paranaense. Ao mesmo tempo, seus planos urbanísticos preveem a derrubada de praças e áreas verdes para construção de binários.

Diante das críticas e cobranças, Fruet e seus assessores costumam culpar a “lentidão da máquina pública”, a falta de recursos e até mesmo uma suposta conspiração maquiavélica orquestrada por pessoas interessadas em sabotar os ciclistas-comissionados “infiltrados na linha de frente, no coração da maquina” (sic).

O fato, porém, é que a gestão Fruet fracassou no campo da mobilidade em geral e na de bicicletas em particular. Prometeu muita coisa, mas não entregou nem metade. Curitiba ficou na rabeira de São Paulo, com a gestão inovadora que vem sendo feita nesta área pelo prefeito Fernando Haddad (PT).

Se é incapaz de defender com argumentos técnicos a viabilidade de uma ciclofaixa para meia dúzia de lojistas, dificilmente Fruet será capaz bancar politicamente as brigas que precisam ser encaradas para se promover as mudanças necessárias na cidade.

Agora, na reta final de seu mandato e com os índices de aprovação às mínguas, o interesse paroquial nos votos de uma dúzia de lojistas da Vila Hauer falou mais alto. É triste, mas é preciso reconhecer: não será desta vez que um prefeito fará de Curitiba uma cidade modelo na área da mobilidade por bicicletas. Os lojistas, com vagas privativas em frente aos seus estabelecimentos, vão agradecer em carreata ao prefeito…

Outro lado

Por meio de nota enviada pela assessoria de imprensa, a Prefeitura de Curitiba garantiu que não haverá redução na largura da ciclofaixa da Avenida Marechal Floriano Peixoto. “A área ganhará apenas, em toda a extensão em que serão implantadas vagas de estacionamento, uma faixa com pintura zebrada para indicar aos motoristas que forem estacionar a necessidade de atenção à passagem de ciclistas. A nova configuração também dá mais proteção aos ciclistas – agora, a ciclofaixa fica separada dos carros em movimento que, anteriormente, costumavam passar ao lado dos ciclistas em velocidade considerável”, diz o texto.

A prefeitura justifica a criação de novas vagas para os automóveis para atender a uma reivindicação dos comerciantes da região. “A Associação dos Empresários do Grande Boqueirão (EMGRAB) alegava que a infraestrutura cicloviária estava prejudicando os negócios. Segundo os comerciantes, a retirada das vagas de estacionamento, por ocasião da implantação da ciclofaixa, teria ocasionado perda de clientela, gerando risco de demissões e fechamento de parte do comércio local”. Segundo a prefeitura, todas as partes foram contempladas: os usuários da ciclofaixa, o comércio da região do Boqueirão e a população que faz compras naquele local. “A Prefeitura reitera que a ciclofaixa será mantida na mesma extensão e largura, e na mesma via em que foi implantada”, finaliza a nota.

Confira o vídeo da campanha de 2012 de Fruet

 

Publicidade
7 Comments

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *